quinta-feira, 31 de outubro de 2019

MINISTÉRIO PÚBLICO DIZ QUE PORTEIRO MENTIU AO CITAR NOME DE BOLSONARO

Ministério Público diz que porteiro mentiu ao citar nome de Bolsonaro

     Promotora do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), a promotora Simone Sibilio afirmou nesta quarta-feira (30) que o porteiro que cita o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em depoimento mentiu em sue depoimento à polícia. O chefe de Estado teve o nome citado no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes (leia mais aqui).

     Sibilio disse que a investigação obteve acesso à planilha da portaria do condomínio e às gravações do interfone. De acordo com ela, ficou entendido que o porteiro interfonou para a casa 65 e que a entrada de Élcio Queiroz – suspeito de envolvimento na morte - foi autorizada por Ronnie Lessa, com quem se encontrou. 

    "Todas as pessoas que prestam falso testemunho podem ser processadas", disse a promotora. De acordo com o Ministério Público, o porteiro pode ter anotado que Élcio foi para a casa de Bolsonaro por vários motivos e que eles serão apurados. Questionada, ela disse que o porteiro pode ter se equivocado, e que o depoimento dele  bate com a prova técnica, que comprovou que é a voz de Ronnie Lessa que autoriza a entrada de Élcio Queiroz às 17h07.

     Nesta quarta, o filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) publicou nas redes sociais uma sequência de vídeosem que, segundo ele, mostra que o pai não teve contato com a administração do condomínio na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, onde pai tem uma casa. Carlos mora em outro imóvel no condomínio (leia mais aqui).

FONTE: BN

Nenhum comentário:

Postar um comentário