sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

ODOYÁ! FESTA DE IEMANJÁ SE TORNARÁ PATRIMÔNIO IMATERIAL NESTE SÁBADO (1º)


    O dia 2 de fevereiro é sagrado para os baianos e, a partir deste ano, se tornará aind amais especial. É que neste sábado (1), véspera de uma das mais tradicionais celebrações religiosas do calendário baiano, o Dia de Iemanjá se tornará Patrimônio Imaterial de Salvador. 
   A partir das 10h, na Colônia de Pescadores do Rio Vermelho, uma solenidade marcará a entrada da Festa de Iemanjá do Rio Vermelho no “Livro do Registro Especial dos eventos e Celebrações”. O pedido de registro e reconhecimento da festa como Patrimônio Cultural de Salvador foi feito pela Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Bahia, com o apoio da própria Colônia de Pescadores, que organiza a festa. 
   O processo será realizado pela Prefeitura de Salvador, por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM), que promoverá o ato solene.
   Para abertura do processo, a equipe técnica da DPH consultou pescadores do Rio Vermelho, que também assinaram declaração de anuência quanto ao registro da festa de Iemanjá como Patrimônio Cultural do Município.
    Ao CORREIO, a FGM informou que o Registro Especial do Patrimônio Imaterial pela Prefeitura, por meio da lei 8550/14, "se constitui em ação de valorização e reconhecimento da Festa de Iemanjá do Rio Vermelho". Acrescentou ainda que "o presente do Rio Vermelho vem sendo promovido por pescadores desde a década de 20 do século passado, reforçando a fé no culto afro-brasileiro, e alcançou espaço no calendário, reunindo pessoas de todas as partes do mundo, reforçando os laços de pertencimento com o mar do Rio Vermelho e sua história, que está integrada ao universo macro da cidade do Salvador, logo trata-se de referência cultural local digna de nota".
     Ainda segundo a fundação, após o registro ser feito neste sábado (1), haverá uma reunião com detentores e produtores da Festa de Iemanjá  para a elaboração de um Plano de Salvaguarda, que tem como objetivo promover ações de apoio à celebração e implementar as ações de curto, médio ou longo.
    O CORREIO conversou com Roberta Casali, presidente da Comissão de Responsabilidade Social da OAB Bahia e secretária geral da Comissão Nacional de Meio Ambiente da OAB, responsável por tomar a iniciativa de propor a imaterialização da festa dedicada à sereia.
   "Tomei a iniciativa de fazer a proposta à Ordem e fizemos uma petição de requerimento após uma longa pesquisa envolvendo a Festa de Iemanjá. O requerimento foi feito para a FGM, para que haja imaterialização em Salvador, mas também mas também para o Ipac (Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural do Estado da Bahia), para que tenhamos esse reconhecimento no estado, e para o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), para que seja nacional também. Esses dois últimos estão tramitando ainda", disse.
    Ela acrescenta ainda que a festa é uma das mais importantes do calendário baiano. "A Festa de Iemanjá é a com maior visibilidade na região, não temos nenhuma outra assim. Fora isso, acho um festejo riquíssimo em representatividade, principalmente para o candomblé", completou.
FONTE: CORREIO24HORAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário