segunda-feira, 6 de abril de 2020

FUTURO PRESIDENTE DO TSE DIZ QUE UNIFICAR ELEIÇÕES SERIA DESRESPEITO COM ELEITOR

Futuro presidente do TSE diz que unificar eleições seria desrespeito com eleitor

    Apesar de ter sugerido o adiamento das eleições de 2020 por conta da pandemia de coronavírus, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, é contra a unificação do pleito deste ano com o de 2022, quando serão eleitos governadores e prefeitos. Próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ele afirma que a decisão é problemática no âmbito constitucional, institucional e gerencial.

   Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, Barroso acredita que a mudança desrespeitaria o mandato dado pelo eleitor, de quatro anos, além de confundir a população ao colocar sete cargos ao mesmo tempo em votação. "Um verdadeiro inferno gerencial", avaliou, pontuando a dificuldade para dividir o tempo de televisão.

   O magistrado destacou ainda que o precedente de mandatos na história do país ocorreu na ditadura militar. "Uma emenda constitucional estendeu até 1982 o mandato de prefeitos e vereadores eleitos em 1976, e que deveria terminar em 1980", lembra.

   Em sua avaliação, o melhor seria adiar o pleito apenas pelo tempo necessário para realizar as eleições com segurança para toda a população. 

   Barroso não está isolado nesta ideia, mas a discussão inclui muitos atores políticos que rechaçam a decisão sobre um adiamento agora ou aproveitam para endossar o coro pela unificação. Esse debate foi tema do podcast de política do Bahia Notícias, o Terceiro Turno.

FONTE: BAHIA NOTÍCIAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário